domingo, 20 de Novembro de 2011

Do fim do czarismo ao Estalinismo



czar Nicolau II


Rússia czarista no inicio do século XX

A Rússia no inicio do século XX caracterizava-se:


- Politicamente, como um regime autocrático, personificado no Czar Nicolau II, ultimo representante da dinastia Romanov. Como apoios políticos tem: a Igreja Ortodoxa, a nobreza e as altas patentes do exército. O regime assentava-se sobre uma grande burocracia que o afastava da população e dos problemas desta.


- Economicamente, como uma economia atrasada de base agrícola. Ora a Agricultura, ocupava 85% da população activa, nesta actividade ainda se usavam técnicas rudimentares (o que justifica o elevado numero da população trabalhar neste sector), outra característica da agricultura é o feudalismo (em pleno século XX*) - os camponeses trabalhavam em terras que não eram suas, estas pertenciam aos grandes proprietários (Igreja, aristocracia e ao Estado).
os camponeses usavam utensílios rudimentares




Quanto à Indústria, esta era pouco expressiva e situava-se em cidades ou centros industriais distantes entre si, a ausência de boas vias de comunicação constituía outro obstáculo ao comércio e ao desenvolvimento industrial. É importante também realçar que a Industria russa, na sua maioria, pertencia a estrangeiros.




- Socialmente, como uma sociedade estratificada à imagem das que marcaram a Europa durante o período do Antigo Regime, no qual se distinguiam grupos privilegiados dos não privilegiados, maior parte da população que vivia carregada de obrigações e impostos. A burguesia apesar da sua riqueza não detinha qualquer poder político, esta juntamente com a nobreza liberal e o operariado (pouco expressivo devido ao peso que a industria tinha na economia) vão ambicionar mudanças.

A queda do czarismo…

O que levou ao fim do regime autocrático que vigorava na Rússia - desde 1547 - foi um conjunto de factores que originaram um descrédito e descontentamento face ao czarismo o que consequentemente, originou a sua queda.

Passo agora explicar:

Nicolau II, o ultimo imperador da dinastia Romanov, promove, durante o seu governo, um plano expansionista da Rússia para o Extremo Oriente – tinha como objectivo uma “ russificação” do Extremo Oriente - no entanto, este plano vai contra os interesses do Japão que declara guerra à Rússia. (guerra russo - japonesa)

Em 1905, o Império russo sai derrotado da guerra, este facto marca o inicio do descrédito na dinastia Romanov, visto que a Rússia perdera contra um inimigo “minúsculo”. Surge, como já referido, um movimento de contestação à autocracia czarista (revolução de 1905), são exemplos:

- Ocupação de fábricas por parte dos operários;



- Criação de sovietes – assembleias constituídas por camponeses, operários, marinheiros e soldados - (os primeiros sovietes apenas incluíam operários) que vão surgindo pelo território russo.

Um acontecimento, neste mesmo ano, que vai aumentar a agitação social é a repressão levada a cabo pelas tropas do czar que a 9 de Janeiro, abriram fogo sobre um grupo de manifestantes que, de forma pacífica, pretendiam entregar uma petição ao imperador. Este incidente ficou conhecido como Domingo Sangrento devido ao elevado número de mortes.

as tropas do czar abrem fogo sobre a população leva a um elevado nº de mortes
De modo a evitar uma guerra civil, o czar Nicolau II, em 1906, cria Duma - Parlamento russo – e permite eleições para esta. Mas esta medida em nada aumentava as liberdades dos cidadãos visto que o czar tinha o poder de depor o parlamento, e assim o fazia sempre que os representantes eleitos para a Duma não lhe agradavam, para além disso esta tinha um poder muito reduzido. O czar continuava a governar de forma absoluta e para solidificar o seu poder este reforça a censura e a polícia política. Aumenta assim a contestação social e política.

Os protagonistas da contestação política eram:

- Partido Constitucional Democrata (P.K.D.) contava com o apoio da burguesia e da nobreza liberal – adeptos do parlamentarismo à moda ocidental

- Socialistas Revolucionários contava com o apoio dos camponeses – pretendia a partilha das terras

- Partido Operário Social-Democrata Russo (Mencheviques/ Bolcheviques): os bolcheviques, eram o grupo em maioria no partido e o mais radical, defendiam a ditadura do proletariado (como medida para obter uma sociedade sem classes). Por sua vez os mencheviques – minoria – mostravam-se adeptos do reformismo, menos radicais, não partilhavam as ideias radicais dos bolcheviques.

Em 1914, a Rússia entra na 1ª Guerra Mundial ao lado da Tríplice Entente, conflito para o qual estava mal preparada, e tal reflecte-se nas derrotas que o exército russo vai acumulando desde o inicio da guerra – nas primeiras batalhas de Tannenberg e de Masurische Seenplatte (Lagos Masurian, Prússia – actualmente pertence à Polónia) nas quais no seu conjunto se contaram mais de 250 000 mortos para o lado russo. Estas derrotas reflectiram-se num recuo da Rússia e em meados de 1915 na ocupação da Polónia e da Lituânia e parte da Letónia – territórios pertencentes à Rússia - pela Alemanha. Esta constante acumulação de derrotas desmoralizava os militares que para evitar combater desertavam e até se auto-mutilavam.




   Para dar uma imagem do que como eram as frentes de batalha na 1ª Guerra Mundial :


                                           video: "All Quiet on the Western Front" - serie televisiva ( 1979)
                                           musica : Iron Maiden - "Paschendale"



     (este vídeo tem como tema a batalha de Paschendaele. Nota: a Rússia não participa nesta batalha ( retira-se a Março de 1918)). Podemos retirar do video, por exemplo: elevado numero de mortes que a 1ª Guerra Mundial causou.


A participação na 1ª Guerra Mundial para além de contribuir, através das constantes derrotas frente à Alemanha, com humilhação para a Rússia e descrédito face ao czarismo, também gerou no país um grande agravamento da situação económico-social pois para além das despesas que o conflito trouxe, juntaram-se factores como:


Escassez de alimentos – visto que boa parte do exército russo era constituído por camponeses, ora como já foi referido a agricultura ocupava cerca de 85% da população, com a grande diminuição de mão-de-obra no sector, a produção, do mesmo modo, reduziu e fez elevar os preços (inflação), isto por sua vez, aumentou o descontentamento da população.

Militarização das fábricas – O império Russo encontrava-se na cauda do arranque industrial e este factor não vai levar a que a situação se altere pois, as fábricas foram vocacionadas para a guerra impedindo assim o seu desenvolvimento. (atraso económico)

Elevado número de mortes na guerra – gera na população o questionamento da competência do czar, surgem até mesmo rumores infundados de que a czarina Alexandra era uma espiã ao serviço da Alemanha. No entanto perante 1 700 000 soldados mortos e outros 5 000 000 feridos (dados de Novembro de 1916) começa-se a levantar a dúvida da origem de tal insucesso se seria incompetência ou traição.

O conjunto de todos estes factores referidos (a derrota na guerra russo – japonesa; o Domingo Sangrento; a ambição da burguesia, nobreza liberal e do operário na mudança do regime politico; a participação na 1ª Guerra Mundial que trouxe uma agravação da situação económica do país; escassez de alimentos e inflação; atraso económico; derrotas contra a Alemanha que traziam humilhação; elevado numero de soldados mortos na guerra leva ao descrédito do czarismo, assim como ao surgimento de rumores contra membros da família real) vão levar à Revolução de Fevereiro de 1917 que põe fim à dinastia Romanov, que detinha o poder há 300 anos.


A Revolução de Fevereiro e … o fim do czarismo

A 23 de Fevereiro de 1917, em Petrogrado (nome dado a São-Petersburgo após 1914) a propósito do dia internacional da Mulher, greves e manifestações reivindicando pão e o fim da guerra multiplicam-se (as mulheres são particularmente activas).

À medida que os dias passam, mais e mais pessoas se juntam aos revoltosos que pretendiam o fim do czarismo. Estes ocupam arsenais (armam-se) e edifícios governamentais. Para impor a ordem, o czar encerra a Duma (26 de Fevereiro) e dá ordem para as tropas abrirem fogo sobre a população, os militares recusam-se a obedecer e juntam-se aos manifestantes.
A cidade de Petrogrado estava na mão dos revoltosos. Nesta altura, à semelhança do que aconteceu em 1905, cria-se um soviete neste caso o Soviete de Petrogrado este teve inicialmente como presidente Kerensky.
Gueorgui Lvov -
1º presidente do Governo Provisório


A 27 de Fevereiro os revoltosos tomam o edifício da Duma.

A 2 de Março, o Czar Nicolau II, desprovido de apoio militar, abdica do trono em favor do seu irmão grão – duque Miguel este por sua vez renuncia. Dá-se assim o fim do czarismo na Rússia. Instaura-se um governo provisório formado pelos deputados moderados da Duma, o Governo Provisório é inicialmente liderado por Gueorgui Lvov (príncipe liberal) - imagem ao lado - depois por Kerensky. Este Governo pretendia, acima de tudo, instaurar na Rússia uma democracia parlamentar.


De Fevereiro a Outubro

O Governo Provisório preocupou-se com a instauração de uma democracia parlamentar -como já foi referido – e em pacificar o país. Para tal levou a cabo as seguintes medidas:

- “ Amnistia imediata e completa, aplicada a todos os casos de natureza política e religiosa, incluindo os actos terroristas, as revolta militares, as sublevações agrárias, etc." - Com esta medida pretendiam integrar na sociedade todos aqueles que tinham sido expulsos desta pelo regime anterior deste modo pretendiam pacificar o país (com esta medida regressam à Rússia personagens como Lenine que havia sido exilado devido à defesa de ideais marxistas)




- “ [o cidadão ganha] Liberdade de palavra, de imprensa e de reunião, assim como o direito de se sindicalizar e fazer greve" estabelecimento dos princípios fundamentais


- “ Abolição de todas as restrições fundadas na origem social, na religião e na nacionalidade”- Igualdade



- “ Eleições para os órgãos locais na base de sufrágio universal, directo igual e secreto”- sufrágio universal



- “ Preparação imediata da convocação de uma Assembleia Constituinte, baseada no sufrágio universal directo e secreto, o qual determinará a forma de governo e a Constituição do país” - instauração de um regime democrático na Rússia.

Outras medidas:

- Estabelecimento de 8 horas de trabalho diárias para os operários

- Separação da Igreja Ortodoxa do Estado –
Estado laico

( Nestas medidas pode-se verificar que este governo tinha um cariz liberal ( influenciado pelo liberalismo)


Outra decisão do governo provisório foi não retirar a Rússia da 1ª Guerra Mundial pois acreditavam que podiam ganhar à Alemanha e queriam evitar perdas territoriais. No entanto, as condições na frente de batalha deterioravam-se à medida que o número de soldados que se rebelavam ou desertavam aumentava.

Ora apesar das medidas levadas a cabo pelo governo provisório os principais problemas que levaram à revolução de Fevereiro mantiveram-se:


Kerensky sucede a Lvov na Presidência


- O preço do pão continuava elevado, não alterando a condição de miséria das classes mais baixas que continuavam a passar fome;

- A Rússia continuava na guerra e o insucesso nesta não mudara, exemplo disso era a ofensiva ao longo da frente sul – jogada desesperada de Kerensky - que resultou numa retirada desastrosa.

Isto vai levar à contestação por parte dos soldados fatigados da guerra, dos trabalhadores esfomeados e dos camponeses que continuavam sem terras (embora o governo se tivesse comprometido a fazer uma redistribuição legal das terras, recusava-se a tomar uma acção decisiva).

Verifica-se assim a oposição dos sovietes (principalmente o de Petrogrado) ao governo provisório.
Esta contestação vai aumentar com a chegada de personagens como Lenine e Trotsky, que aproveitaram a amnistia para regressar à Rússia.

A chegada de Lenine à Rússia




Lenine
 Lenine, pseudónimo de Vladimir Ilytch Ulyanov, desde cedo defendeu ideais de esquerda – foi um grande apoiante das ideias marxistas - e juntamente com os seus irmãos fazia parte de grupos radicais. Sendo até um dos irmãos de Lenine executado por ter participado numa conspiração para assassinar o czar (na altura Czar Alexandre III).
A partir desse momento Lenine dedica-se ao derrube do czarismo e à instalação de uma sociedade socialista. Torna-se assim uma figura de respeito nos círculos radicais. Pelas suas actividades revolucionárias Lenine acaba duas vezes preso assim como duas vezes exilado. Durante o seu último exílio na Suíça, Lenine dedicara-se a escrever artigos para jornais revolucionários incentivando ao derrube do czarismo.

Quando se dá a revolução de Fevereiro e se instala o Governo Provisório, Lenine preocupa-se em arranjar forma de atravessar a Alemanha para regressar à Rússia. O Império Alemão estava ciente de que a chegada de Lenine poderia gerar um movimento revolucionário que obrigasse a Rússia a abandonar a Guerra e como tal autorizaram o regresso deste.

Quando chegou, a 3 de Abril de 1917, à Estação da Finlândia, em Petrogrado, foi recebido calorosamente por um grande grupo de pessoas que o esperava. Este falou à multidão e clamou por uma “ revolução socialista mundial” e incentivava ao derrube do Governo Provisório, de forma a instaurar-se uma “ república de sovietes”. 


As Teses de Abril

Em meados de Abril, Lenine apresenta junto do grupo bolchevique as famosas Teses de Abril, em que os principais objectivos consistiam:

tese – “ A nossa atitude para com a guerra, que é incontestavelmente uma guerra imperialista de salteadores, não admite qualquer concessão” - deseja retirar a Rússia da 1ª Guerra Mundial

2ª tese“O que há de original na situação actual da Rússia é transição da primeira etapa da revolução, que entregou o poder à burguesia […], para a segunda etapa que entregará o poder aos proletários e às camadas mais pobres do campesinato.”Defende a entrega do poder ao proletariado e aos camponeses mais desfavorecidos.

tese “Não apoiar o Governo Provisório”pretendia o derrube do Governo Provisório

tese “explicar às massas que os sovietes de deputados operários são a única forma possível de governo revolucionário”Lenine pretende ganhar o apoio das massas.

  tese“Não à republica parlamentar, sim à republica de deputados operários, assalariados agrícolas e camponeses (…)”

tese – “Nacionalização de todas as terras no país, as terras serão postas à disposição dos sovietes locais de deputados dos assalariados agrícolas e dos camponeses.” – esta tese defende o fim da propriedade privada, assim como a nacionalização da economia

tese – Nacionalização dos bancos – a nacionalização de toda a economia

tese“ A nossa tarefa imediata não é a de “introduzir” o socialismo, mas unicamente de passar ao controlo da produção social e da repartição de produtos pelos sovietes de deputados operários”
tese - “Mudar a denominação do partido: em lugar de social-democrata, é necessário chama-lo de comunista” – o objectivo final de Lenine era instalar na Rússia, o Comunismo – que consistia, basicamente, no estabelecimento de uma sociedade sem classes sociais.

10ª tese – criação de uma Internacional revolucionária - conferencia que tinha como objectivo propagar o comunismo pelo mundo ( vai-se materializar na III Internacional Comunista).

(Nestas teses é possível verificar a influencia dos ideais marxistaentrega do poder ao proletariado; o fim da propriedade privada; nacionalização de toda a economia; a defesa do comunismo. No entanto, é de realçar que a noção de proletariado para Lenine é mais abrangente, visto que inclui os camponeses devido às características da economia russa.)

  Estas ideias vão instalando-se no seio partido (bolchevique) com o apoio progressivo de bolcheviques que regressavam do exílio e de integrantes do soviete de Petrogrado.
Propaganda revolucionária
Os ideais de Lenine fazem-se ecoar entre os soldados cansados de lutar na guerra, os trabalhadores esfomeados, e os camponeses sem terras, pois encontravam neste as respostas aos seus anseios (paz, pão e terra).




Verifica-se então um aumento da agitação social. Nas ruas apareciam manifestações; nas fábricas, os operários protestavam e no Exercito verificava-se uma grande agitação, quanto aos camponeses, influenciados pelos agitadores revolucionários, incendeiam casas senhoriais, escorraçando ou assassinando os seus proprietários e apoderam-se das terras. Nesta atmosfera caótica, o partido bolchevique de Lenine rapidamente ganha expressividade assim como grande influência nos sovietes espalhados pela Rússia.
Manifestação de marinheiros (Junho de 1917)
 que reivindicavam "Todo o poder para os sovietes"  

Devido a isto tudo, nesta altura, a Rússia vivia uma autêntica dualidade de poderes.

A palavra de ordem era “ Todo o poder para os sovietes”

                        A Revolução de Outubro


recriação do ataque ao Palácio de Inverno ( Outubro 1917)
a propósito do seu 3º aniversário


A 24 e 25 de Outubro, Petrogrado vê uma nova revolução. Os Guardas Vermelhos, milícias bolcheviques, ocupam pontos estratégicos da cidade (pontes, gares ferroviárias, correios, o Banco do Estado, a tesouraria publica, etc.) e tomam de assalto o Palácio de Inverno depondo o Governo Provisório. Esta Revolução marca a primeira vez na História em que os representantes do proletariado conseguem conquistar o poder.

Após isto, o II Congresso dos Sovietes legitima a revolução e de imediato entrega o poder ao Conselho dos Comissários do Povo, órgão constituído apenas e só por bolcheviques. Entre os 18 comissários destacam-se:

Lenine, o mentor da revolução, ocupa a presidência. Na condição de presidente, Lenine, fiel ao marxismo vai aplica-lo na Rússia, no entanto teve de ser adaptado às condições do país e por isso denominou-se de Marxismo-Leninismo

Trotsky, presidente do Soviete de Petrogrado e chefe militar da revolução de Outubro, fica encarregue da pasta das Guerras. Trotsky vai levar a cabo a negociação de paz com a Alemanha (tratado de Brest-Litovsk)

Estaline que fica com a pasta das Nacionalidades.



A democracia dos sovietes (1917/1918):Medidas tomadas

Ao iniciar funções, o novo Governo, publica decretos revolucionários, com vista a responder às aspirações das massas populares e às reivindicações dos sovietes:

- Decreto sobre a paz - consistia na negociação de paz com os países beligerantes, o resultado deste decreto vai ser o Tratado de Brest-Litovsk ( Março 1918), assinado com a Alemanha, no qual a Rússia em troca da saída da guerra perdeu a província finlandesa, a Ucrânia , a Polónia e ainda a Estónia, Letónia e Lituânia. Estes territórios representavam cerca de 34% da população, 90 % das minas de carvão e 32% do solo agrícola.
territórios perdidos com a assinatura
do Tratado de Brest-Litvosk



Segundo Lenine "uma paz desastrosa mas necessária".



- Decreto sobre as terrasconsistia na expropriação da grande propriedade e na sua entrega aos sovietes.



- Decreto sobre o controle operáriodeclarava que a gestão e controle das fabricas passaria a ser feita pelos operários



- Decreto sobre as nacionalidades – Estabelecia entre os povos do antigo Império Russo o estatuto de igualdade e o direito à autodeterminação


Problemas levantados


No entanto, estas medidas tomadas pelo Governo não foram bem aceites pelos proprietários e empresários, no que se refere aos decretos das terras e ao do controle operário, pois seriam expropriados das suas posses sem receber qualquer tipo de indemnização, estes vão criar um grande obstáculo à aplicação dos decretos.

A agravar a situação tínhamos a fraca adesão da população ao bolchevismo, visto que a inflação, a miséria, a fome e o banditismo eram factores que persistiam e a estes se juntou o aumento do desemprego, devido à chegada 7 milhões de militares (que não tinham hipóteses de se reintegrarem imediatamente na vida civil)
Um exemplo da fraca adesão por parte da população é os resultados que os bolcheviques obtiveram nas eleições para a Assembleia Constituinte (25% dos votos)


Esta oposição que se fez impor ao bolchevismo vai originar uma guerra civil sangrenta que ceifou 10 milhões de vidas (1918 – 1920).



A guerra civil e o comunismo de guerra

A guerra civil opôs os “ brancos” que contavam com opositores internos do bolchevismo e exércitos estrangeiros de países como a Inglaterra, a França, os E.U.A que temiam a propagação do comunismo, aos “vermelhos” constituídos por bolcheviques e pelos sovietes.


A ditadura do proletariado e o comunismo de guerra

Num ambiente de guerra, Lenine, deixa de parte os decretos revolucionários e instaura a ditadura do proletariado – segundo Marx, era uma fase necessária – na qual o proletariado “retiraria todo o capital à burguesia” e centralizaria todos os meios de produção nas mãos do Estado - para alcançar o comunismo (sociedade sem classes). A ditadura do proletariado devido ao clima de guerra foi marcada por medidas muito duras e violentas.

As medidas tomadas foram:

- A dissolução da Assembleia Constituinte


- A nacionalização de toda a economia – (bancos, terras, industrias, transportes, etc.)

“centralização de todos os meios de produção nas mãos do Estado”

- Competia ao Estado distribuir os bens de acordo com os critérios de uma nova justiça social, na qual:


                 - O essencial era entregue ao Exercito Vermelho, pois estes eram os defensores do regime


                 - O restante era entregue aos operários e camponeses

                 - No fim estavam os burgueses


- O estabelecimento do trabalho obrigatório dos 16 aos 50 anos

- A proibição das greves

- A proibição de todos os partidos políticos, à excepção do Partido Comunista (anteriormente partido bolchevique)

- A instauração da repressão contra os opositores através da polícia política – a Tcheca - dos campos de concentração e da censura. A Tcheca investida de grandes poderes, prendia e julgava rapidamente, os suspeitos e recorria cada vez mais às execuções sumárias. Pode-se dizer que o Terror se institucionalizou.

Estas medidas ficaram conhecidas por comunismo de guerra

O comunismo de guerra levou a que a ditadura do proletariado se transformasse em Ditadura do Partido Comunista.


                            A III internacional Comunista
em baixo lê-se : "Viva a terceira internacional comunista"
em inglês, francês, italiano e alemão



Ainda em plena guerra civil, a 2 de Março de 1919, o governo convoca a III internacional Comunista, conferencia que tinha como objectivo propagar o movimento comunista pelo Mundo. Aproveitando-se da situação económico-social da Europa, apelava aos operários para tomarem o poder. Ora isto vai-se reflectir no aumento de apoiantes do Comunismo na Europa. Verificaram-se ,assim, tentativas de implementação de regimes comunistas, temos como exemplo:

- O governo comunista de Belá Kun na Hungria (durou somente 3 meses)

- O movimento espartaquista na Alemanha (fracassou e foi fortemente reprimido pela Republica de Weimar)




O Fim da guerra civil

Trotsky discursando junto
do Exercito Vermelho 
Quanto à guerra civil, o Exercito Vermelho, liderado por Trotsky foi capaz de resistir aos ataques dos brancos e de em 1920 derrota-los. Os factores que levaram à vitória dos bolcheviques foram:
- A grande disciplina do Exercito Vermelho face à desorganização do exército “branco” e aos desentendimentos que surgiram nas suas hostes


- A superioridade numérica do Exercito Vermelho que chegou a contar com quase 5 milhões de soldados contra os “brancos” que nunca conseguiram comandar um exercito com muito mais do que 250 000 soldados.

- O receio da população do regresso dos antigos privilegiados (oposição aos “brancos”)


A Nova Politica Económica (NEP) (1921 -1927)

A guerra civil revelara-se devastadora pois causou:

- 10 milhões de mortos

- O agravamento da situação económica da Rússia:

Face a esta situação, Lenine apercebe-se que teria de recuar na sua politica de nacionalizações e assim, em Fevereiro de 1921, o comunismo de guerra dá lugar à Nova Politica Económica (NEP).

A NEP consistiu na abertura de parte da economia à iniciativa de privados, permitindo:

- No caso da indústria, a privatização de pequenas indústrias e empresas com menos de 20 operários.
- Quanto à agricultura, os camponeses incentivados pela possibilidade da venda dos seus excedentes no mercado interno, aumentam a sua produção, a isto juntou-se o aumento da percentagem de terras cultivadas, o que fez com que a produção duplica-se (no caso do trigo mais do que duplicou).

A NEP fomentou o investimento estrangeiro, criando-se sociedades de capitais mistos. Do estrangeiro também chegaram técnicos, maquinas.



Outras medidas:


- O fim do trabalho obrigatório



- atribuição de prémios de maneira a incentivar a produtividade.




 Resultado: positivo
- Aumento da produção agrícola e industrial, relançamento da economia.

- Surgimento de novas classes, os kulaks (camponeses abastados) e dos nepmen (pequenos comerciantes) - contraditório aos ideais comunistas.


A criação da U.R.S.S


Em 1922, a Rússia transformou-se na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (U.R.S.S). Lenine, queria garantir a vitória do Socialismo, para tal o Estado Soviético teria de ser forte, disciplinado e ao mesmo tempo democrático. Este desejo concretizou-se no centralismo democráticosistema segundo o qual se organizou o Estado da URSS.


O centralismo democrático conseguia conciliar a disciplina com a democracia visto que:

- Era democrático pois o poder partia das bases da sociedade. Os sovietes eram eleitos pela população através do sufrágio universal. A partir dos Sovietes elegiam-se, sucessivamente, os órgãos superiores. (Congresso de Sovietes --» Comité Executivo Central --» Presidium e o Conselho dos Comissários do Povo, liderado por Lenine)

- Era autoritário ( do topo para as bases), porque as decisões tomadas pelos órgãos superiores deveriam ser aceites sem questionar, caso contrário sujeitavam-se à repressão (policia politica e campos de concentração). O único partido permitido era o Partido Comunista (confundia-se com o Estado) pois era considerado o único partido capaz de representar o proletariado. Por último, não havia divisão de poderes.

Lenine apelidava este sistema de democracia dos pobres, o que implicava necessariamente “ uma série de restrições à liberdade para os opositores, os exploradores, os capitalistas”

    A morte de Lenine e o problema da sucessão


Trotsky pseudónimo de
Lev Davidovidtch Bronstein,
na qualidade de Presidente do
soviete de Petrogrado, teve um
papel decisivo na Rev. de Outubro.
Posteriormente, negociou a paz com
a Alemanha e liderou o Exercito
Vermelho durante a guerra civil
A Janeiro de 1924 Lenine morre, instala-se o problema da sucessão. Dentro do partido existiam dois principais candidatos: Trotsky e Estaline (secretário-geral do Partido Comunista desde o afastamento de Lenine (1922)).

Lenine, antes da sua morte expressara a sua opinião sobre estes dois candidatos:

Em relação a Trotsky caracterizava-o como sendo “o homem mais capaz do Comité Central” no entanto “peca por uma dedicação exagerada ao lado puramente administrativo das coisas”, ou seja, Lenine achava que Trotsky era o mais indicado para o cargo ainda que este se centrasse demasiado na teoria.







Estaline pseudonimo de Iossif
Vissarionovitch Djougatchvili,
participou na Revolução de 1905
como militante do partido bolchevique,
foi varias vezes preso pelas suas
actividades. Após a rev. de Outubro
ficou encarregue da pasta das
Nacionalidades e após o afastamento
de Lenine (1922) torna-se secretário-
-geral do Partido Comunista.
Quanto a Estaline, Lenine vê-o como um indivíduo “ demasiado brutal e que segundo ele “este defeito, perfeitamente tolerável nas relações entre comunistas, deixa de o ser nas funções de secretário-geral” e por isso propõe “ aos camaradas que estudem um meio para demitir Estaline deste cargo e pôr no seu lugar uma outra pessoa que tenha sobre ele uma só vantagem, a de ser mais tolerante, mais leal, mais polido e mais atencioso com os camaradas e com um humor menos caprichoso”. Como podemos verificar Lenine não achava que Estaline fosse fazer bom uso do poder que lhe havia sido conferido.



Lenine não se engana a respeito de Estaline, este afasta a oposição à esquerda liderada por Trotsky – opositor que Estaline vai enviar para o exílio e que vai mandar matar (Trotsky é assassinado por um agente de Estaline no México a 1940) – e da oposição à direita liderada por Zinoviev, Bouhkarine e Kamanev.

Sem oposição Estaline torna-se chefe incontestado da URSS (1928 – 1953).



                                          Inicia-se assim a ditadura Estalinista.


Para consolidação da matéria dada até este ponto:



 A ditadura Estalinista


Estaline durante o seu governo preocupou-se em construir uma sociedade socialista e em transformar a Rússia numa potência mundial.

Para tal, a nível económico, Estaline anula a NEP e inicia a nacionalização de toda a economia, com vista a uma economia autarcica (auto-suficiente). Começa pela colectivização das propriedades agrícolas. Divide as propriedades colectivizadas em:

- Kolkhozes – propriedades que o Estado cede a células do Partido Comunista para estes explorarem


- Sovkhozes – propriedades do Estado

Esta colectivização foi forçada e como tal teve um carácter violento. Verificou-se a resistência às colectivizações por parte dos kulaks e de alguns camponeses, resultando na execução ou deportação para a Sibéria de cerca de 3 milhões de kulaks, os outros camponeses que ousaram resistir à colectivização tiveram a mesma sorte que os kulaks.

Resultado: positivo apesar da resistência dos camponeses (abatiam gado em vez de o entregarem às colectividades)

Em relação à indústria desenvolveu-se sobre uma planificação económica – planos quinquenais – que consistia no estabelecimento de metas à produção industrial. Com esta medida, Estaline, para alem de ter como objectivo o desenvolvimento da economia visava “ um regime isento das “doenças incuráveis do capitalismo […] a crise, o desemprego, o desperdício e a miséria das massas(excerto do discurso de Estaline na primeira conferência dos quadros da industria socialista da URSS, 4 de Fevereiro de 1931), ou seja, através da planificação da produção não haveria o risco de se incorrer num crise de superprodução – por exemplo, como a que se verificou nos E.U.A. que esteve na origem de uma das maiores crises do capitalismo.

No 1º plano quinquenal (1928-32):

- Fomentou-se a indústria pesada

- Promoveu-se investimentos maciços que se tornaram possíveis graças a uma rigorosa colecta fiscal.

- Contrataram-se técnicos estrangeiros e promoveu-se a formação de engenheiros e especialistas

- Instaurou medidas como o despedimento de funcionários sem aviso prévio por ausência injustificada, que contribuíram para o aumento da produção.

No 2º plano quinquenal (1933-37):

- Promoveu-se o desenvolvimento da indústria ligeira e dos bens de consumo.

No 3º plano quinquenal (iniciou-se em 1938 e foi interrompido em 1941 pela 2ª Guerra Mundial) teve como principais alvos a industria pesada, química e hidroeléctrica.

Resultados: muito positivos, através destes planos, Estaline, conseguiu transformar a URSS numa potência mundial.

A nível político, Estaline, que governa a URSS como chefe incontestado desde 1928, para fortalecer o seu poder rodeou-se de uma elite (pessoas da sua confiança) no centralismo democrático (reforço do centralismo democrático) o que o permitiu governar de forma totalitária – o que ia claramente contra os ideais marxistas ( pois se não havia classes sociais então não deveria haver elites).
O regime de Estaline, a nível político, apresenta, apesar da clara oposição ideológica, semelhanças com as ditaduras de extrema-direita que surgiram na Europa (principalmente o Fascismo e o Nazismo), pois apresentava tal como estes:

- Um governo autoritário e totalitário pois concentrava numa só pessoa/ partido politico o poder e cabia ao Estado o controlo da vida social e individual. No caso da Rússia, o poder estava centralizado no Partido Comunista que era chefiado por Estaline.

- Um único partido político, na URSS era o Partido Comunista

- Um grande órgão repressivo, no estalinismo este estava dividido na NKVD - polícia política que perseguia, prendia e julgava os suspeitos de oposição ao regime – e nos Gulags - campos de concentração já existentes antes da ditadura estalinista, no entanto é durante esta que o número de prisioneiros triplica em apenas 7 anos ( 1934 a 1941). A par disto Estaline leva a cabo purgas no seio do Partido Comunista com o objectivo de encontrar aqueles que não partilhavam das suas ideias.


- Um chefe que era alvo de idolatração, no caso da URSS, Estaline era apelidado de Pai dos Povos. A isto dá-se o nome de culto da personalidade ou culto do chefe.




- O enquadramento da população em organizações que pretendiam incutir nos indivíduos os ideais do regime, na URSS nesta altura tínhamos como exemplo a Juventude Comunista e os Pioneiros da União Sovietica.
em caso de curiosidade: letra da musica ( em inglês)

O governo de Estaline caracterizou-se também por um grande sistema burocrático que afastava o Estado dos problemas da população, serviu para facilitar o reforço dos poderes do Estado.

A nível social, Estaline, como já referido, procurou construir uma sociedade socialista. Para tal era necessário abolir as classes que surgiram com a NEP, a abolição desta faz com que os Kulaks e os Nepmen sejam destruídos como classe, visto que se viram expropriados dos seus bens. Sem posses, estes tornam-se meros assalariados do Estado.



Conceitos a reter:

Marxismo – termo derivado do nome do filósofo, historiador e economista alemão Karl Marx, que se aplica à doutrina filosófica, politica, económica e social elaborada por ele e por Friedrich Engles. A perspectiva marxista concebe a História como uma sucessão de modos de produção (esclavagismo, feudalismo, capitalismo) sucessão essa devido à luta entre classes. Defende que a luta entre o proletariado e a burguesia levaria à destruição do capitalismo, à implantação da ditadura do proletariado e, por fim, ao Comunismo – a verdadeira sociedade socialista, sem classes e sem Estado.
Marxismo-leninismo Aplicação pratica do marxismo por Lenine na Rússia após a revolução de Outubro, que se caracterizou: pelo apelo à participação activa dos camponeses (que ficaram assim introduzidos na noção de proletariado); pela identificação do Estado com o Partido Comunista; pelo uso da força política do Estado para acabar com a oposição.

Soviete - Assembleias constituídas por camponeses, operários, marinheiros e soldados da Rússia.


Ditadura do proletariado Segundo o marxismo era o período de transição entre a sociedade capitalista e o comunismo. Etapa na qual o proletariado, aproveitando-se da “supremacia politica” retiraria “todo o capital à burguesia” e centralizaria todos os instrumentos de produção nas mãos do Estado.

Comunismo Segundo o marxismo era a verdadeira sociedade socialista, sem classes e sem Estado. Etapa final da revolução proletária.


Centralismo democrático - Sistema organizativo, que norteia a organização do Partido ou Estado comunistas, em que os órgãos governativos eram eleitos de forma democrática por etapas e degraus, ficando subordinados às directivas do poder central, numa cadeia hierárquica que se exercia das cúpulas até às bases.


Fontes :
Livros :
- Os grandes acontecimentos do século XX , selecção do Reader's Digest
- O tempo da História - História A - 12º ano 1ª parte; Couto, Célia / Rosas, Maria; Porto Editora
- O tempo da História - História A - 11º ano 3ª parte ; Couto Célia / Rosas, Maria ; Poroto Editora
Sites visitados:

- BBC

Larousse 


- Infopédia 

Outros :


apontamentos das aulas




Trabalho realizado por: Tiago Conceição nº 25 12ºJ




Sem comentários:

Enviar um comentário