sábado, 26 de Novembro de 2011

Estado Novo.

O Estado Novo designa-se como sendo um regime político autoritário corporativista que vigorou em Portugal durante 41 anos sem qualquer tipo de interrupção. Foi criado em 1933 através da aprovação da nova constituição e perdurou até 1974 onde foi derrubado pela Revolução do 25 de Abril.

Recepção ao Estado Novo.

Este regime era designado de Estado Novo essencialmente por razões ideológicas e propagandísticas, tendo como objectivo entrar numa nova era, lançada pela Revolução Nacional de 28 de Maio de 1926, marcada por uma concepção antiparlamentarista antiliberalista, anticomunista e colonialista do Estado. Assim, caracteriza-se como sendo um regime autoritário, conservador, nacionalista e corporativista. Diz-se também que ao estado novo são atribuídos aspectos da doutrina e prática do fascismo italiano, adoptando o modelo de partido único e o corporativismo do estado. A sua inspiração fascista era essencialmente católica e tradicionalista.
Podemos dizer então, que o Estado Novo encerrou o período do liberalismo em Portugal.

António de Oliveira Salazar.

Quando falamos em Estado Novo, é inevitável não falar de António de Oliveira Salazar, pois foi este o seu fundador e líder. Inicialmente, Salazar assumiu o cargo de ministro das finanças em 1928, com a condição de supervisionar os orçamentos de todos os ministérios e de ter o direito de veto sobre os respectivos aumentos de despesas. Assim, de modo a poder controlar as contas, impôs uma forte austeridade e aumentou os impostos reduzindo as despesas públicas.
Com isto, conseguiu obter um saldo orçamental positivo apos o primeiro ano, tornando-se um figura preponderante no governo da Ditadura Militar em 1930, mais tarde ascendeu a Presidente do conselho de Ministros a Julho de 1932 e assim manteve esse posto até 1968, altura em que foi afastado por questões de saúde. Nesta altura, Marcello Caetano foi o seu sucessor e prolongou este governo até 1974. Assumindo-se como continuador de Salazar.

Marcello Caetano.

O regime criou a sua própria estrutura de Estado e um aparelho repressivo designado de PIDE que se apoiava na censura, na propaganda e nas organizações paramilitares, como a “Legião Portuguesa”
O Estado Novo centrava-se na figura de um chefe, Salazar, e foi muito marcado pelo seu estilo pessoal de governação.

Legião Portuguesa.
Apesar das diversas característica fascistas também presentes no governo de Salazar, como a existência de um único chefe, um único partido, uma policia politica, censura, campos de concentração, a proibição dos sindicatos, a milícia armada, e o culto ao chefe; este governo apresentava também algumas características próprias e bastante inovadoras:
Concentrava-se no ruralismo; tinha como principais valores Deus, a pátria e a familia; enaltecia os autores da construção do império português; e ainda, utilizava o pendão e as quinas como símbolos.

Bandeira nacional.
António de Oliveira Salazar sempre se destacou como sendo uma personalidade bastante conservadoras, tendo os seus valores sempre enaltecidos. desta forma, o estado novo, entre todos os outros regimes politicos, foi o que mais se destacou, devido ao seu caractér verdadeiramente conservador e tradicionalista. Assim, este regime assentava em valores como: Deus, Pátria, Familia, a Autoridade, Paz Social, Hierarquia, Moralidade e Austeridade.

 
Salazar recusava o liberalismo e defendia o nacionalismo, para ele era “tudo pela nação, nada contra a nação” e só desta forma é que o povo português seria um povo de heróis e demonstrariam a grandeza de toda a sua história. Assim, defendia a supremacia da nação em vez das liberdades individuais.

A ditadura militar que prevaleceu em Portugal desde 1933, termina a 25 de Abril de 1974 após um golpe de estado por parte dos militares.



Bibliografia:
Apontamentos da aula.
Manual 12º - "O tempo da História" - Parte 1.
Fichas de resumos.
  Trabalho realizado por:
Bárbara Silva, nº5.

Sem comentários:

Enviar um comentário